quarta-feira, 30 de outubro de 2013

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Sobre animais e outros bichos

Defensores dos animais estão cada vez mais parecidos com os defensores dos direitos humanos. E antes que alguém venha me jogar uma pedra, me chamar de estúpido e outros adjetivos que venho colecionando com carinho ao longo da estrada, aviso logo: se você é um defensor idiota dos animais, nem siga adiante. Deixe sua reclamação abaixo na seção de comentários e volte pro Facebook.

Excluídos os idiotas, explico: taxei de defensores idiotas dos animais esses que apareceram agora, de uma hora pra outra, e que ficam sensibilizados com os "maus tratos" cometidos contra animais de laboratórios fofinhos. Mas só os fofinhos...

Se comprovadas as denúncias contra o laboratório da moda, acho digna a ação dos ativistas que libertaram um sem número de cachorros fofinhos e que foram criados para serem cobaias. Não é porque nasceram para ser cobaias que devem ser torturados, sofrerem maus tratos, etc. Mas e se as denúncias não forem comprovadas? E se o simples fato do insituto não querer falar com os ativistas não significar que eles não respeitavam a lei no que diz respeito ao uso de animais como cobaias? Ninguém parou pra pensar nisso, né? Não vou defender o instituto não mas, aqui, se age muito sem pensar. Talvez por isso que os protestos país a fora não tenham surtido nenhum efeito...

E outra coisa: "animais" é uma generalização. Não compreende apenas os fofinhos. Vamos ser coerentes... ninguém  está se importando com os ratos e eles são as cobaias mais antigas do planeta (pelo menos que eu ouvi falar). Os macacos também... sapos (mas sapos são animais?)... Dessa forma, "defensores dos animais" ficam muito parecidos com os "defensores dos direitos humanos", que só creem existir direitos humanos para bandidos... as vítimas que se lasquem. Nunca vi ativista nenhum ir no Butantã resgatar as cobras... posso até estar enganado (sei que tem muitos adoradores de cobras - sem duplicidade de sentido, por favor), mas eu nunca vi.

Uma coisa é fato: cobaias ainda são necessárias em muitos casos. E nesses casos, não há o que fazer. Existem métodos substitutivos e que podem ser tão eficazes quanto. Eu mesmo já vi muita gente citando um e é o que eu usaria: pegaria os presos condenados por crimes hediondos e corrupção (que também deveria ser hediondo, na minha opinião) e os usaria para testar cosméticos, remédios e, principalmente, venenos...

PS: Antes que me acusem de odiar, eu gosto de animais. E nem todos são fofinhos.

Música do dia

Porque hoje é dia da Handmade Blues no Botequim Avenida. Simbora.

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Soluções.

Então você resolve chegar mais cedo no trabalho, pensando em gerar na alta logo no comecinho do dia e, claro, evitar trânsito, ônibus cheios, metrô lotado, se arruma, toma banho e... nada! Metrô lotado da mesma forma e os ônibus... prefiro nem comentar. Juntando tudo isso ao calor infernal da cidade, que começa a calcinar o povo nos primeiros raios da manhã, chego ao destino precisando de outro banho. E a diferença de tempo nem foi essas coisas. Ao invés de uma hora de translado, 47 minutos. Grande coisa...

Fico me perguntando se existem soluções viáveis e reais para esse tipo de problema: locomoção digna. No fundo, no fundo, creio que não. Afinal, para resolver o problema trânsito, seria necessário que menos pessoas saíssem sozinhas em seus carros, diminuindo o número de carros nas vias. Pra isso, seria necessário boa vontade e pensamento no coletivo por parte do povo. Esse povo educado, altruísta que é o pernambucano, ou melhor, o brasileiro... Ok. Vamos esquecer essa parte de diminuir os carros nas ruas.

Se, por algum milagre divino, conseguissem fazer o número de carros diminuir, teríamos mais gente utilizando os transportes coletivos. Logo, precisaríamos de ônibus, metrôs e trens mais amplos e confortáveis para uma locomoção digna, e em maior número, o que faria necessário uma diminuição nos lucros (pelo menos em um primeiro momento) para um investimento maior em aumentos de frota e melhorias da mesma. Seria necessário um esforço dos empresários... Ok, ok. Vamos esquecer essa coisa de melhoria do transporte público.

Se a gente não diminui a quantidade de carros nas ruas nem melhora o sistema público de transporte, podemos encontrar, como solução, os avanços da tecnologia. Sim, afinal, como o tempo desperdiçado em longos engarrafamentos, trânsito parado, é dinheiro desperdiçado, podemos ver na Internet e na telefonia um grande parceiro. Afinal, em muitos casos, as empresas podem fazer com que seus empregados trabalhem em casa, fazendo reuniões via Skype (ou qualquer outro chat), cobrando, apenas, produtividade. Com a qualidade do serviço de Internet e Telefonia encontrados aqui, o tempo perdido por quedas de conexão e impossibilidade de fazer ligações devido a falta de qualidade dos serviços de telefonia, seria igual ou maior ao tempo perdido no trânsito. Sem falar na honestidade do povo, né? Que teria mais chances de "voar" estando em casa... Afinal, como diria Lulla, é cultural (taí o próprio Lulla que não me deixa mentir).

Parece pessimismo meu, né? Não conseguir encontrar solução nenhuma... pra nada! Ahááááááá! Mas não é bem assim! Ainda vejo uma luz no fim do túnel. Uma solução simples e que poderia ser custeada pelo governo: distribuição de Prozac e Gardenal pra todo mundo. Assim (e só assim) teremos brasileiros (seja cidade, estado ou país Brasil) calmos e felizes.

Música do dia

E vamos no gás...

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Whats up, Doc?

Eu não uso whatsapp. Apesar de ter um Iphone, o meu é jurássico (por mais antagônica que a afirmação possa parecer). Como ele não atualiza o I.O.S (seja lá o que isso for), não consigo instalar nada nele, pois tudo é configurado pra ser instalado em aparelhos com I.O.S superior ao meu. Bom... deixa pra lá.

Apesar de não usar whattsup, já sei que o bicho se tornou um mar de pornografia. Nada contra... mas além das pessoas receberem o que não pediram, na grande maioria dos casos, as "atuações" são postadas sem o consentimento de, pelo menos, uma das partes.

Foi o caso de uma tal de Fran, que já foi zoada ao extremo. Ainda bem que, pra ainda poder ter alguma fé na humanidade, surgiram páginas e postagens de apoio a Fran. Sim porque, na verdade, ela não tem culpa de nada. Apenas confiou num mal caráter que não tinha escrúpulos. Aquela história de "Nossa... como é que ela pôde fazer isso?" é papo que eu só acredito se vier de uma crente (e olhe lá...)

A questão é: por que só a mulher se lasca? Quem era pra se queimar era o sujeito (ou sujeita) que divulgou as fotos/videos/comentários. Esse/a sim devia ser execrado/a. Afinal, ele/a não serve como amigo/a, não serve como empregado/a, não serve pra porcaria nenhuma. Uma pessoa dessas te dá uma rasteira sem nem fazer careta. É uma pessoa que não merece a menor confiança, sem a menor credibilidade. Se eu sou chefe de uma pessoa assim era demissão na certa. Afinal, como confiar em um/a empregado/a que pode sair divulgando as coisas pertinentes apenas ao trabalho?

Um cara desses, com certeza, sai falando pra todo mundo as garotas que já levou pra cama: as que levou de verdade e as que queria ter levado, não levou mas disse que comeu. Com video então... É um excroto que se acha garanhão.


Assim como o excroto divulgou o video da pobre Fran acho muito digno que divulgassem o máximo de informações sobre quem fez esse tipo de postagem. Se divulgar quem faz isso, quero ver esse "espertão" conseguir trabalhar sem medo de perder o emprego por não ser uma pessoa confiável... Duvido que esse "garanhão" "pegue"  mais alguma mulher sem ter que se mudar de cidade ou sem ter que pagar. Afinal, que mulher confiaria num caba desses? E se alguma mulher, sabendo disso, ainda for pra cama com um sujeito desses, pode divulgar porque ela quer ser atriz pornô.

Música do dia

Porque hoje tem 18 Strings Blues no Botequim Avenida. Blues feito em 18 cordas de guitarra, 4 de baixo e bateria. Simbora...

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Sem bronca.

Se os turistas que vierem pra Copa, em Pernambuco, não precisarem de bicicleta (ciclovias), carros, táxis, ônibus, trens e metrôs, não vão ter que se preocupar com nada fora assaltos, latrocínios e homicídios. Talvez tenham algumas apurrinhações com a falta de preparo do povo pra receber turistas que falem outra língua que não seja o português mas, em compensação, vão poder se divertir muito com as manifestações artísticas culturais que não recebem apoio nem popular e que se apresentam em lugares pitorescos como a área de desembarque do Aeroporto Internacional dos Guararapes.

Música do dia

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Estágio


Eu tava pensando... Uma pessoa, quando resolve ser padre, vai pra um seminário, onde recebe ensinamentos (não interessa nem questiono o conteúdo) até ser ordenado padre. Tem todo um processo.


Hoje pela manhã, dentro do metrô eu cheguei a uma conclusão: pra ser pastor, o indivíduo faz estágio enchendo o saco das pessoas com aquela pregação feita em ônibus, trens, metrôs, meio da rua... Como se não contasse o fato de nenhum deles ter o dom da oratória, ou seja, ainda não sabem enrolar os crentes pra esvaziar seus bolsos, ainda assassinam o português com requintes de crueldade. Sem falar nos mais afoitos que, em vez de se aterem a Palavra, resolvem fazer improvisos, colocar "cacos" no intuito de ilustrar e explicar o que reproduzem da Bíblia. Sai cada coisa...


Pode não ser assim que se "formam" os pastores... mas que tem lógica, tem.

Música do dia

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Demanda


Não sei no estado em que você mora, mas aqui em Pernambuco, principalmente Recife, que é onde moro, parece que tudo, absolutamente TUDO, é feito de forma a não suprir a demanda.


Nos supermercados, os caixas são insuficientes...
Nos bancos, os caixas são insuficientes...
Os ônibus, pelo menos nos horários que mais precisamos, conhecidos como horários de pico, são insuficientes...
O Metrô, no mesmo caso dos ônibus, são insuficientes...

Táxis, pasmem, são insuficientes (principalmente nos horários de pico e em dias de chuva)...
Empregos são insuficientes...
Ciclovias, só pra ser mais moderno, são insuficientes...
Áreas de lazer (tanto gratuitas como pagas) são insuficientes...
Atendimento em repartições públicas é insuficiente (e ineficiente, diga-se de passagem...)
Vagas nas escolas públicas insuficientes...
Vagas nos hospitais públicos insuficientes...
Segurança (isso existe?) insuficiente (e ineficiente, diga-se de passagem de novo...).

E eu podia passar horas escrevendo serviços insuficientes aqui... não só eu como qualquer pessoa. E só citando os serviços que são insuficientes... não atendem a demanda. Ainda tem aqueles que são ineficientes, apesar de pagarmos por eles... o que já vale um outro post.

Isso me leva a uma conclusão lógica e rápida: tanto políticos como empresários já tomam o povo por idiotas. Aquela coisa de "faz qualquer coisa, de qualquer jeito... o povo é idiota mesmo..." ou "Deixa quieto. O povo, idiota, reclama hoje e esquece amanhã... precisa ajeitar não!" ou, ainda (a melhor) "É tudo idiota mesmo... relaxa!" .

Eu mesmo já vou comprar meu nariz de palhaço e dar entrada na minha carteirinha de livre acesso nos ônibus por ser idiota/estúpido.

Música do dia

Porque hoje tem Blues... Estréia do projeto JACK BEACH BLUES...

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Dúvida atroz...

Bicho... depois de ver um entrevista num desses vespertinos televisivos locais, um entrevistado me deixou com uma dúvida atroz. Ele dizia que 42% das pessoas que tem animais de estimação "ainda" dão comida de casa para que eles se alimentem. Ou seja, não compram ração.

A minha dúvida veio daí: como os animais de estimação conseguiram sobreviver até os dias de hoje se antigamente não havia ração e só comida caseira? Perguntas que afligem a humanidade...



PS: Ok... eu sei que ele queria dizer que ainda há um grande mercado a ser atingido. Mas eu não podia perder a piada... :p

Radical

Eu sempre achei as coisas deste país surreais... e isso é uma opinião que tenho desde que era criança e cheguei no Brasil. Comecei a formar essa opinião quando ouvi na escola "O cedilha tem som de ésse ou dois ésses". Nessa mesma hora pensei "então pra que essa porcaria? Que gente mais estranha..."

De lá pra cá, minha opinião só fez se fortalecer, cada vez mais embasada pelo comportamento esquisito do povo... Povo conformado, passivo e que se torna cômico quando resolve se "organizar" para protestar. Vide os "cara-pintadas", que até hoje acham que tiraram Collor da presidência. Quem tirou (e colocou, diga-se de passagem) Collor no comando do país foi a Globo. Não podia ser diferente, né? Na época, os comícios ainda eram livres para colocar shows. Então, o que mais ouvi nos "convites" para as passeatas "Fora Collor" foi:
- Bora pra passeata hoje?
- Bora! Quem é que vai tocar?
- Vai ter o Trio Tal, Trio Xis e Trio Y.
- Eita... vai ser massa!

De lá pra cá, pouca coisa mudou. Uns 5% da população reclama e toma alguma atitude, uns 25% colaboram pra manter a situação como está e 70% da população reclama do preço do feijão e da qualidade do transporte público enquanto assiste a novela.

A recente onda de protestos deixou isso bem evidente. No início, parecia que a coisa iria mudar; que o povo resolveu se mexer para mudar o que está ruim... ruim, não: podre. Um grande clima de inconformismo, aliado a crença na possibilidade de mudança, se instaurou no ar e parecia que, agora, a coisa ia! Foi... pro brejo! O governo chegou a ficar um pouco "incomodado" e disse que ia atender alguns pedidos. Em algumas cidades, a passagem de ônibus até baixou... 10 centavos. Mas no resto, foi o de sempre... promessas não cumpridas e o não cumprimento divulgado de forma acintosa... pelo próprio governo. Lei da ficha limpa que só Deus sabe como e quando vai funcionar, o julgamento do mensalão, onde a lei foi cumprida (de verdade) e os mensaleiros ganharam mais chances de continuarem impunes (e vão ficar impunes se a lei, lei brasileira, for cumprida) e Dilma preocupada e irritada com Obama, que andou lendo seus e-mails.

Os protestos continuam, cada vez com menos gente... e o comentário de uma sra., que ouvi enquanto era espremido no ônibus, que está 10 centavos mais barato, resume bem o sentimento dos 70% que citei da população:
- Protesto? De novo? Tá vendo que protesto não resolve nada? Só faz atrapalhar a vida do povo...

Radicalismo meu? Talvez... eu sempre fui chato mesmo. Mas fico me lembrando do povo hostilizando as equipes de reportagem da Globo e depois via os comentários dos "companheiros revolucionários" pelas redes sociais. Coisas do tipo "Será que o protesto de hoje vai sair no Jornal Nacional"?

O repúdio a Globo foi tão grande que ela continua líder de audiência segundo o Ibope, que é quem rege o mercado...

Por isso, posso dizer que meu radicalismo e minha descrença na seriedade deste povo surreal é, meramente, fruto do meio (sempre achei essa desculpa a cara do Brasil).

Música do dia

Pra começar a semana abrindo o gás...

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Serenidade...


"... serenidade necessária para aceitar as coisas que não podemos modificar..." Não é nada fácil. principalmente quando envolvem questões culturais. É quase como pedir pra não se importar (se não for a mesma coisa). Em determinadas situações é quase impossível (e, por isso entendo o criador da frase quando pede a um ser divino).

Mas é necessário! Por mais que corroa por dentro. Mesmo porque, se for questão cultural, de nada vai adiantar você querer mostrar que há algum erro em determinado ato/afirmação/costume. A pessoa (ou grupo de pessoas) tem aquilo como certo (ou como "nada de mal") e nada do que você fale ou faça vai mudar.

Fazer o que, né? A verdade (na minha opinião. É bom deixar claro) é que essa "serenidade pra aceitar" acaba matando algo em você, já que a "aceitação" passa a ser um "não me importa mais". E com até quantos "não me importo mais" você consegue, ainda, ser humano?

Música do dia

Na minha humilde opinião, melhor fase do Iron Maiden... ever... Questão de gosto. Sabe como é...

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Apontadores

Das críticas que você faz, que atitude (ou atitudes) você tomou para resolver ou melhorar a situação?

Nenhuma, né? Normal... quer dizer, você é o normal numa cidade como a Venérea Brasileira. É o que mais tem. Gente que aponta os erros dos outros sem se importar com o fato de cometer os mesmos erros... (ou mais)

É aquela história do "eu não faço nada, mas fulano, que faz, tá errado e só faz merda"! Simples assim.

E como disse um amigo meu, "E se Lemmy (Kilmister) morasse em Recife?"

Brother... ia ser dedada e esculhambação na cara de muita gente...

Música do dia

Porque hoje é dia de Blues no Herculano...

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Já dizia o que cara que escreveu "Assim falou Zaratustra"...


- Moço: dá pro senhor prender o cabelo? Ele tá batendo em mim...

Isso foi que ouvi logo após me acomodar na cadeira do ônibus. Ônibus que peguei logo após sair de uma tortuosa espera no consultório da minha dentista. A tortura, na verdade, não foi a espera. Foi aguentar, na maior parte do tempo, calado (pra não começar um bate boca) com 3 "simpáticas" velhinhas que aguardavam na mesma sala... na mesma hora.

Os assuntos debatidos foram da "feiura" de Luciana Gimenez, passando pelo homossexualismo e findando (até eu ser chamado, graças a Deus, pela dentista) com a falta de cultura do povo, único tema em que concordei com a palestrante, que não tinha cultura nenhuma, diga-se de passagem.

- Eu já estive em 17 países e posso provar... Fulano de tal fala latim perfeitamente. Hoje em dia ninguém sabe o que é latim...

E pra minha infelicidade, ela me dá um cutucão e pergunta pra mim:

- Você sabe o que é latim?

- A língua falada em Roma...

- Viu que ninguém sabe? Em Roma se fala Italiano...

- Desculpe: eu quis dizer Roma império... não me referi a cidade da Itália...

- Ah... pois é. O latim é a língua do mundo.

- ... ocidental... e nem todo ele. Tem países cujo os idiomas tem origem anglo-saxônica, germânica...

- É a língua da Europa.

- Não... não é. No velho mundo existem países cujo a raiz da língua é latina (ou seja, vem do latim) e outras não...

- Mas eu disse na Europa...

- A Europa é conhecida como velho mundo... E lá, por exemplo, se fala alemão também...

- E o Alemão não vem do latim?

- Não...

A senhora vira o rosto, me ignorando, e se volta para o resto da "platéia"

- Hoje em dia, o povo só quer saber de safadeza...

Ela faz parte da geração, que ainda tem muitos frutos, onde se eu estou errado, faço de conta que não é comigo e mudo de assunto! Não se discute com gente assim. Não se discute com pessoas sem argumentos válidos. Não se discute com pessoas que nem sabem do que estão falando. Que teimam em ter a última palavra.

Felizmente uma luz brilhou e uma voz invadiu a sala... era a porta do consultório se abrindo e a atendente falando "Marcelo: é a sua vez"...

Respeito os mais velhos... mas como dizia Nietzsche (na frase que postei ontem a noite e caiu como uma luva) "É difícil viver com as pessoas porque calar é muito difícil"...

Mas prendi o cabelo.

Música do dia