quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Já é um começo...

Com toda a desgraça, apesar do tanto que eu reclamo, o Facebook serve pra alguma coisa. Ou está servindo pra alguma coisa no Brasil. Eu vivo dizendo que o povo do "Face" é cheio de góga mas que, na real, não se mexe pra fazer nada. Em 97% dos casos, é verdade. Mas tem um lado pelo qual eu ainda não tinha analisado...

Há muito tempo que eu vejo o povo brasileiro ser passivo; ver que tá tudo errado, que tão passando a mão na sua bunda e, mesmo assim, ficar parado. No máximo soltar um "é lasca" e pronto: parar por aí. Hoje em dia, graças ao "Face", vejo que surge um novo sentimento no povo brasileiro, mesmo que apareça, apenas (e ainda) no mundo virtual: a indignação.

Diversas situações postadas tem conseguido fazer com que o povo brasileiro fique indignado. E essa indignação, mesmo que restrita ao mundo virtual, tem tido certo resultado. Vereadores de um município que revogaram o aumento imoral que tinham dado a si mesmos devido a repercusssão negativa na rede social, outros que acabaram com o auxílio-combustível pelo mesmo motivo e, mais recentemente, vi que o STF revogou a ordem de despejo dos índios Guaranis Kaiowás, que ameaçavam se deixar ser extintos para não sair de suas terras. Enfim, a indignação no mundo virtual tem conseguido resultados.

E já é um começo, né? Tá certo que de vez em quando aparecem "indignações" absurdas e infundadas, mas nem sempre tudo é positivo. Mas isso não importa. O que importa é que é um começo. E quem sabe, daí, venha a atitude? A esperança não é a última que morre?

Opinião


... a não ser que eu peça, né?

Música do dia

Hoje é dia de blues no Bazza, babies...

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Causas...

Finalmente acabaram as eleições em todo o país. Ninguém mais será apurrinhado por políticos (no horário eleitoral... fora dele é outra coisa). Agora é esperar pelo que vai acontecer, já que não há mais nada a fazer... Na verdade, até há... cobrar. Mas o povo brasileiro ainda não sabe o que é isso (fora do Facebook).

Assistindo a um jornal matutino, hoje pela manhã, dois fatos me chamaram a atenção; uma frase da âncora: "um país dividido". Ao final do pleito, 11 partidos comandam o país. Não mais um só, nem só a direita, nem só a esquerda. Isso tem um lado bom. Mostra que o povo não engole mais a mesma lenga-lenga (em teoria) e busca novas alternativas (mesmo que não cobre por isso, o que é uma lástima...). Afinal, como diz um ditado popular, fraldas e políticos devem ser trocados, de tempos em tempos, pelo mesmo motivo.

O segundo motivo, foi o número de abstenções: chegou a 19%. Só em São Paulo, onde a disputa era entre o PT aliado a Maluf e uma múmia, as abstenções chegaram a 31%, ou seja, de cada 10 paulistanos, 3 não foram votar. Mas não foi bem o número elevado de abstenções que me chamou a atenção. Foi a "surpresa" do TSE, que disse que vai estudar com afinco as causas desse crescimento do número de abstenções.

Precisa perder muito tempo do magnificente Tribunal não. A causa é bem simples: falta de opção.

Música do dia

Pra dar o tom da semana... Boa semana a todos e "vamo que vamo",

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Ainda sobre o apagão...

Uma possível explicação para o apagão é que os políticos que foram afastados por corrupção, como não podem mais roubar dinheiro público, estão roubando o cobre dos fios... sabe como é, né? Não tá fácil pra ninguém...

Perguntar não ofende...


Acabei de me tocar de uma coisa; Lulla, o ex-presidente, vive de que? Bolsa-família presidencial? Aposentadoria?

Em pleno século 21...

É... me lembro do ex-presidente (mas que ainda vive na mamata presidencial) Lulla, quando ele dizia, ainda em campanha: "Eu não quero viver no país do apagão..." Essa é uma das poucas coisas que concordo com elle. Mas que jeito, né? Não posso me mudar mesmo...

Eu fico imaginando como explicar a minha mãe (que mora no Chile, acostumada com terremotos e otras cositas mas) que houve um apagão aqui... Uma conversa hipotética (em português, pra que todos entendam)
 
- Mãe... não falei com você ontem pois houve um apagão...
- Apagão? O que é isso?
- Mãe... foi um blackout.
- Nossa... aí na sua cidade?
- Na verdade, foi no Nordeste, Norte e alguns outros estados...
- E ficaram quanto tempo sem luz?
- 5 horas...
- Imagino que tenha sido uma grande tragédia.
- Er...
- Vocês, agora, tem terremoto aí? Porque quando o terremoto é grande aqui, também falta luz...
- Er... não mãe...
- Alguma tempestade? Ouvi dizer que um furacão andou devastando algumas áreas, inclusive o país em que você nasceu (Jamaica)...
- Er... não mãe...
- Não? Vulcões? Tsunami? Atentado terrorista?
- Não mãe... o povo ainda não sabe, mas parece que foi um curto-circuito...

Entra a corneta zombeteira (qué, qué,qué quéééééééé...) e sobe crédito: "Vergonha alheia!"

E isso em pleno século 21.

Música do dia

Em homenagem ao apagão de ontem...


quarta-feira, 24 de outubro de 2012

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Baratinho...

Eu acho engraçado essa tendência de se buscar profissionais, das mais diversas áreas, que cobram "baratinho". Quando a pessoa busca realizar um trabalho, ela, em teoria, busca fazer o melhor, né? Logo, ela vai cobrar os custos que ela tem com seu trabalho mais o seu diferencial, ou seja, seu requinte, qualidade, destreza, etc.

Se você visa oferecer um serviço e, pra isso, pretende contratar profissinais "baratinhos", é melhor pensar duas vezes. Seu projeto pode se tornar um grande fiasco. Afinal, o justo é o justo.

Se você tem verba, não economize. O resultado será o esperado ou além disso. Se você não possui muitos recursos, adeque seu projeto a sua realidade, conseguindo fazer o melhor dentro do possível.

Sei que é óbvio (e ululante) mas o resultado do serviço que você solicitou é proporcional ao que você pagou. Aquelas frases tipo "o barato saiu caro" tem fundamento e são bem realistas. Vai querer arriscar?

Música do dia

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Sei não, viu?

É cada uma... A Globo ia exibir hoje, 19/10/12, o último capítulo de sua novela das 21h no Cine São Luiz. Um mimo para anunciantes e parceiros da emissora. Só que a notícia vazou nas redes sociais e o povo engajado do Facebook (aquele que, revoltado com os vereadores, falavam pra renovar a Câmara de Vereadores de Recife inteira e reelegeram 22 dos 37 vereadores da casa) achou um absurdo, uma "afronta" a cultura pernambucana e começou a esculhambar a iniciativa. Tanto que a Globo desistiu da idéia e arrumou outro lugar (e não divulgou, para que o povo engajado do Facebook não reclamasse).

São todos baluartes da cultura e da boa índole. Todos escutam e pedem frevo nas rádios o ano todo; todos lotam os shows de artistas locais; todos reprovam a inclusão de artistas de fora nos eventos da cidade e do estado, nenhum deles molha a mão do guarda quando parados numa blitz, após beber; todos odeiam músicas que empobrecem a cultura... pena que esse povo não sai do Face... porque nas ruas, estão todos nos shows de "fuleragem" music, nenhum deles escuta frevo (nem no carnaval, quando ficam dançando e cantando "enfica"), nem o autêntico forró, etc. Ah se a atitude desse povo ficasse do tamanho de sua "goga"...

Creio que na casa deles não tenha pratos sujos, roupa suja nem faxina pra fazer. Aí, por isso, tanto ócio... Sei não, viu? Que tal uma faxina mental?

Música do dia

Há 24 anos atrás morria um dos ícones do blues mundial: Eddie James House Jr, mais conhecido como Son House. Cantor e guitarrista, tocou com grandes nomes do blues mundial, inclusive Robert Johnson. Foi Son House que ajudou a espalhar o boato de que Robert Johnson havia vendido sua alma ao diabo. Por problemas de saúde, parou de se apresentar no início da década de 1970, vindo a falecer em 1988. Fica aqui, nossa reverência a um grande nome do blues mundial!

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Como... diz aí...


Eu só queria que alguém me explicasse como, de que maneira, o sistema de quotas (ou cotas, como queiram), que vai assegurar 50% das vagas nas universidades federais para os "excluídos e minorias", vai melhorar a qualidade do ensino nível médio, como afirmou não sei quem do governo federal.

Vagabundo, com a vaga garantida, vai querer estudar mais e cobrar do professor? Os alunos do ensino médio público, muito estimulados com as instalaçoes e qualidade do ensino, vão se preocupar em aprender mais quando é mais fácil ameaçar o professor e, assim, passar de ano, garantindo 50% de chances de conseguir uma vaga nas federais?

Porque o governo teima em achar que eu (e o resto do país) sou otário?

Música do dia

Aí é som...

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Carência

Que Joaquim Barbosa é um símbolo, é. De origem humilde, teve que batalhar pra chegar onde está. E não precisou de quotas (ou cotas, como queiram) pra estudar, nem pra conseguir vaga na faculdade nem nos tribunais. Ele realmente é um exemplo a ser seguido... e ele também se tornou símbolo de outra coisa: da carência de um país por gente descente, íntegra, honesta...

Toda essa "tietagem" em cima do novo presidente do Supremo Tribunal Federal acontece por um único motivo: aqui, gente honesta é produto em falta, raro e caro. Então, quando as pessoas o vêm cumprindo (nada mais que) sua obrigação, ficam emocionados e o transformam em um herói. É que corrupto, aqui no Brasil, nunca foi condenado... Não vou falar de cadeia agora porque, como disse pelo Facebook, acho massa ver a cúpula do PT (e não só quem obedece ordens) sendo julgada e condenada, mas festa mesmo só vou fazer quando a corja estiver presa, correndo atrás de indulto de natal. Até lá, fico esperando pra ver.

Volto a dizer: Joaquim Barbosa é um exemplo a ser seguido; uma prova de que quando se tem determinação, você alcança seus objetivos por mais adversidades que você possa enfrentar.. Mas também é o símbolo de um país carente de decência... onde os conceitos de certo e errado são esquecidos e/ou preteridos em prol de benefícios individuais.

O Ministro Joaquim Barbosa serve como exemplo e prova de que se pode mudar um país. Basta que cada um faça sua parte. Afinal, não há corrupção onde não há corruptor.

Música do dia

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Amarelou...

Cara... essa eleição serviu pra mostrar uma coisa: por mais que o povo queira gostar do PT, o PT faz questão de fazer com que não gostem dele. Como diria o ex-inimigo mortal e hoje aliado dos vermelinhos (apesar do candidato local tentar avacalhar geral) Fernando Afonso Collor de Melo, "Isso é uma patuscada"!

Resultado: o candidato do PT a prefeito do Recife teve menos votos que o número de abstenções. Segundo seu Costa, o problema foi a falta de unidade do partido (sério? Mas o PT não é um partido que só faz brigar?), mas tem gente por aí que acha que seu Costa não se elegeu porque era "sangue ruim". E para os que não sabem, quando o sangue estraga, o vermelho amarela...

Música do dia

Semana começa e a música de hoje é em homenagem aos eleitos na festa democrática do voto obrigatório!!!


quarta-feira, 3 de outubro de 2012

"Líder" (???) Comunitário

Sempre em período de eleições uma raça que aparece com toda pompa é a de "líderes" comunitários. Eles que, na sua grande maioria, tomam o cargo pra si, sem eleição (e as vezes sem nem a aprovação da comunidade), fazem (ou correm atrás de) uma ou outra bem feitoria dentro da comunidade e, claro, ligam para todos os veículos de comunicação para mostrar seu feito. Uma forma de aparecer perante a sua comunidade e, assim, quem sabe, tentar uma vaguinha na câmara de vereadores de seu município. Claro.. poucos são os realmente preocupados com o coletivo de onde moram. A maioria só quer aparecer e ganhar uns trocados... Isso de acordo com o que eu vivi durante esses meus quase 20 anos trabalhando em veículos de comunicação.

Em época de eleição eles conseguem se susperar vendendo sua "popularidade". Chegam nos comitês dos candidatos oferecendo seus "serviços" como cabo eleitoral; jurando que conseguem todos os votos de sua comunidade caso o candidato pague o que ele pede...

Na única campanha em que trabalhei, para deputado estadual, vivi um exemplo do que falo... e que foi até cômico. Lá estou eu no comitê do candidato, cuidando das coisas da campanha, quando chega um cidadão pedindo pra falar com o responsável. Lá vou eu atender o cidadão...

- Boa tarde. O responsável por favor!
- Sou eu. Em que posso ajudá-lo?
- Eu sou o líder comunitário de xxxxxxxxxxxxxxx e tenho uma proposta muito boa pra vocês. É com você mesmo?
- Sim, pode ser comigo!
- É o seguinte. Eu sou líder comunitário muito influente. Queria saber quanto vocês me pagam pra que eu consiga votos pra voces...
- Cara... a gente não paga por votos não.
- Você não tá entendendo... eu consigo muitos votos mesmo. Eu me garanto.
- Só por curiosidade, quantos votos você consegue?
- Trinta e poucos mil votos (na época dava pra eleger o candidato só com os votos que ele disse que conseguia).
- Caraca... tu consegue tudo isso mesmo?
- Claro... só na minha comunidade são 20 e poucos mil... mas outros 15 mil que eu arrumo com um colega. Garantido.
- Pô cara... com tanto voto, melhor tu se candidatar... é eleito na hora!

E assim encerrei a conversa. Bom... isso é só pra mostrar o caráter desses tais "líderes" comunitários. Acima de tudo, o interesse próprio. Quantos candidatos se elegem graças a gente dessa laia... Isso sem falar naqueles candidatos que elegem, como cabos eleitorais, matadores de aluguel, que mandam avisar na comunidade:
- Se na zona eleitoral X não tiver tantos votos, vou matar 5 na comunidade.

Mas, como diria o narrador de Conan, isso é uma outra história... que ainda acontece em Pernambuco (talvez em todo o Brasil) em tempos atuais...

É assim caminha o país...

PS: Sei que existem exceções, como a toda regra... mas em toda a minha carreira, só conheci uns 2 realmente preocupados com a comunidade.

Música do dia

Hoje é dia de blues no Bazza...  i'm satiesfied...

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Pensamento do dia (by Rafael Araújo)

Meu mais fiel colaborador, Rafael Araújo, volta de maneira triunfante. Olha aí:

Pensamento do dia: a diferença entre duas pessoas discutindo por causa de futebol e dois orangotangos brigando por um cacho de bananas é que, no caso dos orangotangos, faz sentido.

Coisas que eu nunca vou entender


Tem coisas que nunca vou entender e que sempre acharei ridículas, idiotas. Durante o período eleitoral, multidões saem as ruas para mostrar o candidato que apoiam. Vestem suas cores, saem a pé, de bicicleta, de carro, em ônibus, caminhões, o escambau. Sei que muita gente é paga pra isso, mas a grande maioria (de incautos) vai por livre e espontânea vontade.

Mas quando seus candidatos são eleitos e fazem merda (sim porque fazer merda é inerente do político brasileiro), ninguém sai na rua pra protestar, reivindicar seus direitos e cobrar o que lhe é de direito. Dá pra entender?


É muita estupidez...

Música do dia

Pra começar a semana na instiga...