quarta-feira, 27 de julho de 2011

Querido Junkie...

Hoje já são 6 dias de dor de cabeça ininterrupta. Justiça seja feita, com menos intensidade ontem e hoje, mas a dor continua lá.

Isso serve pra aprender a nunca mais repetir a blasfêmia de que "pior que tá não fica!"

Não consigo nem pensar sem sentir dor...

Já tomei quase todos os analgésicos vendidos livremente em farmácias. O único que tem surtido algum efeito é o que se tornou meu café da manhã: analgésico efervescente a base de café. Não só café da manhã como sobremesa do almoço e do jantar (quando não se torna "entrada").

Mas tudo bem... uma hora pára.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Novinha...

Apesar de estar ciente que, a medida em que envelheço, me torno mais ranzinza, não creio que eu esteja me tornando pudico, moralista, conservador ou membro da TFP. Como minha própria alcunha identifica, não sou nenhum santo. Mas acho, realmente, que a galera tá deixando passar algo muito grave.

De uma hora pra outra, a "novinha" passou a ser tema das "músicas" (de qualidade - ? - muito duvidosa, se é que há alguma) dos novos "MCs" (perdoem todos os MCs verdadeiros, mas eles se intitulam assim) pernambucanos. Sempre tem uma "novinha" mexendo, sentando, gemendo... sempre tão "pegando" as novinhas... trocando de novinhas... detonando as novinhas...

Ninguém se tocou ainda que as "novinhas" são "as de menor"? Ou seja, garotas menores de 18 anos que são incentivadas a enfiarem um micro short no rabo e, pior, tirá-lo pra fazer "de tudo". Ou muito estou enganado ou isso é incentivo a pedofilia. E pedofilia, ao que me conste, é crime.

Não vou falar na qualidade (ou falta de), nos erros grotescos de português nem do fato dos "cantores" não conseguirem cantar no tom. Isso já seria mais que motivo pra não ouvir essas porcarias. Mas o incentivo a pedofilia é demais!

Tem como alguém dizer que é contra a pedofilia e curtir uma porcaria dessas? Não soa meio hipocrisia não?

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Em tempo...

Bom... já que a data existe, então deixo aqui o meu obrigado a todos os guerreiros(as) que conseguem se manter meus amigos. Pra vocês, minha admiração e uma musiquinha, sempre pra alimentar a alma...



Hã? Dia do amigo?

É como eu falava no post sobre o dia do homem. Tem datas que, sei não, viu... Qual a utilidade de se comemorar o dia do amigo? Não venham me dizer que foi uma iniciativa do comércio (como quase todas as outras datas). Se for, é mais falha que avião Tcheco. Hoje em dia o povo não compra nem presente de aniversário, que dirá presente de dia do amigo.

Enfim, criaram a data e não sei se há utilidade nela. Afinal, amigos, mesmo distante, com toda modernidade tecnológica voltada para o ato de entrar em contato, sempre estão a um click de você.

Talvez a data sirva pra lembrar: "Eita... eu tenho um amigo... vou ligar pra ele!". Na minha opinião, a data só serve pra deprimir as pessoas. Tipo: "Eu tenho 15 mil contatos no meu Facebook, mas não conheço nenhum deles; nunca tomei umas com eles; nunca saí com nenhum deles... 'chuif-snif-chuif-snif'... eu não tenho amigos".

Antes que você se mate ao constatar que aquela ruma de gente que tem nas suas redes sociais não são seus amigos, deixo aqui a colaboração do meu colaborador (redundância proposital mais uma vez, por favor...), Rafael Araújo que está sempre se superando:

Dia do Amigo

Hoje é o dia de celebrar a amizade e também de encher as redes sociais com mensagens de um mesmo tema. Definir amizade é difícil, mas pelo menos sei dizer o que ela não é...

Amigo não é aquele que faz o seu coração bater num momento de desespero. Isso é desfibrilador. Amigo é outra coisa.

Amigo não é aquele que te acompanha nos bons e maus momentos e sempre te ajudar a relaxar. Isso é cachaça. Amigo é outra coisa.

Amigo não é aquele que te faz enxergar uma luz no fim do túnel. Isso é um trem vindo te atropelar. Amigo é outra coisa.

Amigo não é aquele que quando tem ninguém dá valor, mas quando falta é um desespero. Isso é abastecimento da Compesa. Amigo é outra coisa.

Amigo não é aquele que te guia e fala o que você deve fazer na hora certa. Isso é GPS. Amigo é outra coisa.

Amigo não é aquele que conhece suas intimidades e te protege, mas se você força a barra ele estoura. Isso é camisinha. Amigo é outra coisa.

Amigo não é aquele que sempre está com você nos momentos difíceis. Isso é SPC e Serasa. Amigo é outra coisa.

Amigo não é aquele que dá o ombro quando você precisa. Isso é um jantar com Hannibal Lecter. Amigo é outra coisa.

Amigo não é aquele que te faz largar tudo e sair correndo por causa dele. Isso se chama diarréia. Amigo é outra coisa.

Amigo não é aquele que faz você ficar rindo a toa. Isso é ganhar na loteria. Amigo é outra coisa.

Amigo não é aquele que te ajuda a levantar quando você não consegue mais ir em frente. Isso se chama macaco hidráulico. Amigo é outra coisa.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Mais uma vez, nem tudo...

Esperando meu ônibus na Conde da Boa Vista (Recife), escuto um barulho e quando olho, uma senhora é atropelada por uma moto. Coitada... a primeira coisa que viu quando abriu os olhos fui eu perguntando:


- "Consegue me ouvir?"


Ela olhava pra mim como se não me visse. Chamei o SAMU, começou a juntar gente, vi que a senhora estava bem, na medida do possível e voltei pra parada esperar meu ônibus.


Pra quem não sabe, a av. Conde da Boa Vista tem locais específicos para travessia de pedestres. Em todo resto da mesma existe uma grade exatamente para evitar que as pessoas atravessem fora dos locais apropriados. Em frente a parada onde eu estava, fizeram um buraco na grade. A senhora foi atropelada porque queria passar pelo buraco, o que é proibido.


Como disse antes, nem tudo fica sem punição no Brasil...

Rapidinha

Após ler nos jornais que a caixa preta do avião que caiu em Boa Viagem semana passada, foi danificada na explosão; após uma rápida pesquisa e não achar nenhum caso de caixa preta danificada; após me lembrar que a caixa preta do avião da Air France que caiu nas proximidades de Fernando de Noronha, que passou dois anos em grande profundidade, na água salgada, mordida por tubarões, ainda estava funcionando e lembrar que a República Tcheca não tem a menor tradição no ramo aeronáutico, só chego a uma conclusão:

- Nem a caixa preta do avião Tcheco prestava!

Pena que a constatação foi tardia...

Lembrete pra mim mesmo


Pra não esquecer:

Usar o cinto de segurança no banco do carona de um táxi, cada vez mais, é sinônimo de camisa suja.

Ninguém fiscaliza a limpeza dos cintos de segurança não? Saco...

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Frase do dia...

Uma amiga do Facebook disse, o que pra mim se tornou, a frase do dia (e pra toda vida...)


"As pessoas que me dizem que eu vou para o inferno e que elas vão para o céu, de certa forma, me deixam feliz por não estarmos indo para o mesmo lugar..."

Clara Mel.

Dia do homem.

Eu sei que o povo faz de tudo pra vender, pra divulgar, etc, mas criar o "Dia do Homem" assim, do nada? Até o ano passado, essa "data comemorativa" não existia. E cá pra nós, não vejo o menor sentido nela.

Alguém me falou (ou vi na TV) que a data foi criada para fazer com que os homens se lembrem de cuidar da saúde. Principalmente da saúde de seu "melhor amigo" (leia-se pênis). É... inclusive porque Pernambuco é o segundo estado do Brasil em números de câncer de pênis. Inclusive com alto número de amputações (uiii!). Aqui vai minha contribuição: pra previnir e evitar o câncer de pênis, basta lavar bem o danado! Só isso!

Ok... tem até um "Q" de filantropia e amor ao (bem) próximo. Mas não vejo necessário a criação de uma data como "dia do homem". Só serviria se o comércio fizesse promoções do tipo:

- "Hoje, homem não paga. Feliz dia do Homem".

Iria falir bares, cervejarias, churrascarias, lojas de auto-peças, estádios de futebol, lojas de videogames, casas de massagem, etc...

Se bem que, em dias atuais, onde você dizer que é hétero está cada vez mais sujeito a vaias, devo reconhecer: pra ser homem hoje em dia, tem que ser muito macho. Então, ficam aqui meus parabéns a todos nós, homens. E não tenha medo:

"SAY IT LOUD: I'M STRAIGHT AND PROUD!"

Eu mereço...

Tem dias em que eu tenho certeza que fiz pole dance na cruz enquanto Jesus era crucificado. Não é possível...


Saio correndo de casa e, quando chego na parada, a *&%$%# do ônibus que eu pego decide queimar exatamente a minha. Mantendo todo o meu bom humor peculiar, decido pegar um táxi pra não chegar atrasado no trabalho. Até aí tudo bem... mas só até entrar no táxi.


Eu realmente devo ter sido aquele cara que falava pra Judas "a gente não vai fazer nada não... só pegar o cara pra interrogar e tu ainda ganha uma grana...". Pois é. Entrei no carro e parecia que tudo ficaria tranquilo até um cidadão cortar o táxi, o motorista xingá-lo e eu, ingenuamente, concordar com o motorista. Foi a deixa que ele esperava...


Ele iniciou um monólogo (a pulso, já que eu não retribuia a conversa) que começou pela falta de infra da cidade do Recife e findou, pasmem, com uma comparação do comportamento sexual dos jovens de outrora com os jovens de hoje. Não me perguntem como chegou aí...


Inclusive ele tem uma "novíssima" teoria sobre a relação entre respeito e tesão. Segundo o cidadão, o homem casado não tem o mesmo tesão com a esposa que teria com uma profissional do sexo. A profissional dá mais tesão porque com a esposa há respeito.


Agora me digam se eu mereço isso logo às 06:30 da manhã de uma sexta-feira?

terça-feira, 12 de julho de 2011

A vida nas redes sociais

Meu nobre colaborador, Rafael Araújo, continua com suas observações, desta vez sobre a vida inteligente (?) nas redes sociais.

"O pessoal postar coisas fúteis nas redes sociais é até comum: “que dia lindo!”, “tô tomando iogurte de morango, humm”, “Quanta chuva!” e por aí vai. Como uma amiga falou, é como se cada um fosse editor da sua própria revista Caras.

Só que tem gente que me assusta; as pessoas estão parando o que estão fazendo pra compartilhar o ato com o mundo. Já é comum se o cara tá vendo um filme ele parar pra digitar: “tô assistindo Uma Babá Muito Louca, é muito massa!”.

Tá chegando num ponto em que o povo para de fazer coisas que não são pra parar de fazer, tipo paramédico do Samu postar:
- Fazendo mais uma reanimação cardiorrespiratória hoje. Que dia puxado, afeeee!"


ECA!

"Entrei nessa vida por que vale a pena. Eu não tinha dinheiro e agora tenho. Sou menor e não vou ficar preso por muito tempo, daqui a três meses ou três anos eu saio. Vou ficar até matar ou morrer".

A frase acima é de um menor de 16 anos, réu confesso da morte de outro menor, rival no tráfico de drogas e suspeito da morte de um menor de 8 anos durante um tiroteio em Vitória do Espírito Santo.

Há algum tempo atrás, tive que ouvir de um advogado que seu cliente, acusado de matar um estudante dentro do Campus da USP, não iria delatar o comparsa porque "toda profissão tem um código de ética".

Sou só eu que acho ou tá na hora de rever os "valores" do código penal e do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA - nunca vi sigla mais apropiada) ?.

Depois eu que sou um animal por achar que bandido bom, não importando a idade, é bandido morto! Pronto! Falei!

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Eu estive no inferno

Eu estive no inferno. E sobrevivi. Já to até vendo as piadinhas: “Mas tu não é o Demo? O que há de estranho nisso?” Ignorando solenemente as piadinhas, eu estive no inferno. O inferno se chamava Show da Galinha Pintadinha no Clube Português.

Não é por ser um show infantil e estar rodeado de crianças. Isso eu já esperava (e desde que minha filha nasceu, até gosto). O problema, como sempre, é o que as crianças carregam a tira-colo: os pais. Putz... vou te contar. Falta muito pra poder considerar o povo mal educado.

Mesmo sabendo que era um show para crianças, todos os adultos ficavam em pé, na frente do palco. Foi necessário que um palhaço chamasse a atenção do povo, que se tocou e sentou. Mesmo assim, na primeira música (que começou com uma hora de atraso, mais ou menos), todo mundo levanta e fica mais difícil para os pequeninos assistirem ao show.

Agora é a vocalista que pede pro povo sentar. E, justiça seja feita, o povo sentou e permaneceu sentado o resto do show. Mas será que pra que o bom senso prevaleça é necessário alguém chamar a atenção? Fala sério... educação aqui, pelo que vejo, só quando há punição.

Consciência, gente... consciência.

Passeando na Paraíba

Meu colaborador e, agora, correspondente de viagens (já que minhas viagens mais longas são da Av. Recife pra Santo Amaro, Santo Amaro pra Cidade Universitária, e por aí vai...) esteve pelos lados do paraíso dos motoristas e mandou este relato emocionado

"Apesar de eu já ter visitado João Pessoa inúmeras vezes, nunca tinha visto o tal do pôr do sol na Praia do Jacaré com um cara tocando o Bolero de Ravel no sax. Tudo lá é baseado nisso: as barracas têm nomes tipo "Artesanato do Pôr do Sol", “Sorveteria Sax no Pôr do Sol”, uma de tapioca tem "a melhor tapioca no pôr do sol" (acho que quando o sol se põe a tapioca fica ruim).... Imagina se o cara do sax tem uma dor de barriga e não vai? Acho que tudo fecha.

Continuando o turismo, hora de visitar as outras praias do estado. No município do Conde, que é onde estão as melhores, uma pessoa tenta exaltar o lugar:

- Pra você ter uma ideia, na inauguração dessa praça tocou a banda Patchanka quando estava no auge!

Er... melhor deixar essa praça pra lá e ver as praias logo. Depois de visitar sete delas em um final de semana na Paraíba eu notei que quanto melhor a praia, mais difícil é o acesso. Os paraibanos escondem suas melhores praias, deve ser uma maneira de manter a privacidade. Então se te disserem: "Rapaz, tem uma prainha aí legal. Mas só indo por uma mata fechada e correndo risco de ser atacado por onças e jacarés", pode amarrar a faixa vermelha de Rambo na testa e levar o facão de Jason que o lugar deve ser bom.

E pra finalizar, meu passeio na Paraíba só foi completo porque eu presenciei uma batida entre dois carros de lá e pude dizer:
- Eles só podiam ter tirado a carteira na Paraíba!."

Rafael Araújo é comunicador social e colaborador do Junkie. Ele pode ser encontrado aqui e aqui também!

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Mais uma campanha séria...

Abrace esta causa!

Considerações futebolísticas...

Mais um texto do meu colaborador Rafael Araújo. Eu sei que o ditado diz que não devemos discutir sobre futebol (entre outras coisas), mas o comentário dele é bem pertinente.

Existe uma linha tênue dividindo o torcedor fanático do torcedor vagabundo. Pra mim é atestado de vagabundagem ir ao estádio assistir o treino do time que você torce. Coisa de quem não tem absolutamente nada pra fazer. Acho que fica um torcedor falando pro outro:

- Olha como aquele ali corre ao redor do gramado, deve bater um bolão.
- E aquele outro ali fazendo abdominal, parece que cabeceia bem.


Você pode encontrar Rafael no Facebook e no Twitter (e, claro, as vezes por aqui...).

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Centro das atenções

Mais uma vez a caminho do trabalho, ainda maravilhado pela minha descoberta de ontem, comecei a pensar naquelas pessoas que sempre querem ser o centro das atenções. Usam de todas as formas para aparecer nas rodinhas de conversa, etc, mas na grande e esmagadora maioria das vezes, sem sucesso.

Hoje, caminhando a caminho (redundância
cacofônica proposital) do trabalho pensei numa solução para essas pessoas e, agora, vou divulgar a fórmula do sucesso.

Pessoas do sexo feminino que precisam aparecer:

Seja
Monga, a mulher que vira macaco. Você sempre vai ser o centro das atenções. Já pensou? Todos numa festa começam a conversar sobre suas profissões:

- Eu sou jornalista... vivo
estressado, ganho mal mas acabo me divertindo, dando uma de judeu*
- Eu sou contador... até que ganho bem, mas é um
estresse quando chega a época do imposto de renda.
- Eu sou
Monga, a mulher que vira macaco.

Pronto! Todos vão olhar para você, querer saber da sua vida, como é ser
Monga, quanto ganha, como se diverte... É garantido! Você, mulher que precisa aparecer, não vai se arrepender.

Pessoas do sexo masculino que precisam aparecer:

Pra você, que não tem a sorte de ser mulher pra ser
Monga, pode conquistar a atenção de todos dizendo que é namorado da Monga. Já pensou? Naquela rodinha de conversa com os amigos, entre cervejas e petiscos, todos começam a se vangloriar de suas parceiras...

- Cara, minha namorada é uma gata. Uma
lady na mesa, uma louca na cama... nem credito que tive essa sorte...
- A minha namorada já leu todo o
Kamma Sutra e é acrobata de um circo da Finlândia. Além de gata, se garante...
- Ah, brother... eu namoro Monga, a mulher que vira macaco.

Pronto! Por mais lindas, gostosas e fogosas que possam ser as mulheres de seus amigos, todas as atenções se voltarão para você! Todos vão querer saber se ela é mesmo um animal na cama, se viraa macaco na hora que vai gozar, se o pêlo dela dá tesão, se é anti-alérgico... Também, como no caso femino, é garantia de lhe tornar o centro das atenções.

Pra vocês que precisam chamar atenção, as dicas acima são sucesso garantido. Ou seu anonimato de volta.

Arrumei um colaborador...

Olha aí... o Junkie tem um colaborador... Rafael Araújo , além de colega de profissão, é outro grande "ombundsman" da estupidez humana. É dele o texto abaixo:

Fui num daqueles prédios empresariais ao lado do Shopping Recife e reparei num aviso no corredor:

"Em caso de incêndio não use os elevadores. Vá pela saída de incêndio".

Aí tem um mapinha bem esquematizado com setinhas mostrando por onde é para ir. Como se a pessoa fosse ver isso num incêndio...

- AAAAHHHH!!! SOCORRO!!! O PRÉDIO TÁ PEGANDO FOGO!!! Hum, peraí, vamos olhar no mapinha pra ver por onde sai. Vira à direita, segue até o final do corredor... Ok, já sei o caminho. AAAAHHHHH!!! FOGOOOO!!!"


Dica: Seguir Rafael no Facebook pode proporcionar ótimas gargalhadas

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Olha o que eu achei...

Indo para o trabalho, passando pelo pátio do Carmo, que se prepara para as festividades de Nossa Senhora do Carmo, encontrei isso:






(como a foto não ficou boa, está escrito: "Monga Show)


Na minha opinião, Monga devia ser considerada Patrimônio Cultural da Humanidade.

Falta de senso...

As vezes, o raciocínio lógico não é o mais indicado. Pelo menos não quando aplicado ao grande grupo (leia-se povo). Pois bem. Ontem, aqui no Recife, choveu sem trégua o dia todo. Depois de sair do trabalho, resolvi pegar um ônibus desses com ar-condicionado. Pensamento bem simples: como o recifense é friorento, não vão pegar esse ônibus. Lêdo engano...

Mas estava tudo em paz (assim: trânsito lento, percurso que, normalmente, dura 30 minutos, estava durando 2 horas) até que, já faltando cerca de meia hora pra descer, uma senhora começa a discutir com o cobrador:

- "Isso é um absurdo! Tá querendo matar a gente de frio, é? Desligue esse ar-condicionado..." e por aí foi...

Ainda bem que prevaleceu o bom senso e o ar não foi desligado. Mas aguentar o bate-boca totalmente desnecessário e descabido foi martirizante. Por pouco não pus minha delicadeza habitual em prática. Por muito pouco. Resolvi, apenas, aumentar o volume do meu MP4.

Gostaria de deixar bem claro a essa senhora (e a todos que conseguem sentir frio nesta cidade) que não é apropriado pegar ônibus com ar-condicionado em dias de chuva de você sente frio. Afinal, esses ônibus vão estar gelados. E tem gente que pegou esse ônibus exatamente por esse motivo. Saco!

Mais uma campanha que eu aprovo.

Vamos ver se surte efeito, né? Algum dia, alguma tem que funcionar...

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Eu devia ter imaginado antes...

Outro dia fiz uma crítica sobre a nova lei que regulamente a prisão preventiva. Não só eu, mas muita gente tava achando um absurdo, que uma porrada de "bandidinho" ia ser solto e continuar solto pelas ruas das cidades, com essa história de que crimes com penas de até 4 anos de reclusão pudessem ter a prisão preventiva substituída por pagamento de fiança.


Pois bem... hoje vi dois advogados explicando que não vai ser bem assim. Há diversas variáveis, os lisos (veja bem) vão continuar sem poder pagar fiança e sendo presos.


Tenho certeza, agora (mas do que nunca) que essa lei foi criada com o único objetivo de beneficiar políticos já que dentre os crimes de menor potencial ofensivo previstos pela "benesse" está o famoso "formação de quadrilha".


Logo, políticos vão poder roubar, pagando fiança e continuando livres para intimidar testemunhas, fraudar provas, etc. Continuar não... vão estar mais a vontade ainda para isso.


Eu devia ter imaginado isso antes... agora faz sentido! Aí, me lembro daquela musiquinha:


"Este é um país que vai pra frente... uou, uou, uou, uou, uou..."

Tá difícil?

Cara... eu não sei por que ainda me espanto com algumas coisas. Quase que diariamente eu tomo meu café numa barraquinha em frente ao meu trabalho, onde peço um açaí e uma coxinha. Nem sempre a coxinha, mas sempre o açaí.


O que me espanta é que, apesar de já ter respondido e explicado a resposta, a pessoa (que sempre é a mesma) SEMPRE me pergunta:


- "Quer que esquente?"


- "Não, obrigado!"


- "Ketchup e Maionese?"


- "Não, obrigado!"


Eu já expliquei que não gosto de coxinha requentada em micro-ondas nem dela com Ketchup (que não gosto mesmo) e maionese (que só uso em hamburguer), mas acho que a pessoa não escuta. E, assim, sou obrigado a responder as mesmas duas perguntas todos os dias... Haja paciência...